ATENTADOS EM PARIS – QUEM SE BENEFICIA?

Paris atentados5

A super policiada cidade de Paris foi atingida, nesta sexta-feira à noite, por quatro atentados terroristas que deixaram um saldo de mais de 150 pessoas mortas e mais de cem feridos. Além do Estádio da França, onde acontecia o jogo amistoso entre as seleções da Alemanha e da França, foram atingidos outros locais que, normalmente, não seriam alvos, como um restaurante na Rua Alibert.

A casa de espetáculos Bataclan, onde mais de 100 pessoas eram mantidas reféns por pretensos terroristas, foi invadida pela polícia deixando um saldo de, pelo menos, 70 mortos.

O presidente francês, François Hollande, do PSF (Partido Socialista), declarou o estado de emergência nacional e fechou as fronteiras.

Estes atentados aconteceram no mesmo ano, e nos mesmos moldes, dos atentados terroristas contra a revista ligada à extrema direita, Charlie Hebdo, do início deste ano. Segundo as informações oficiais, divulgadas pela imprensa burguesa, os responsáveis, por ambos atentados, teriam ligações com os militantes islâmicos radicais que atuam no Oriente Médio. Mas, da mesma maneira que aconteceu com vários outros atentados terroristas, como os do 11 de setembro de 2001, as evidências que apareceram nos vídeos parecem desmentir as versões oficiais. No caso Hebdo, os terroristas gritaram “Allah Akbar!”, ou “vingadores de Mahommed”, e falaram, em bom francês, que eram membros da Al-Qaeda. Mas eles ao invés de destruírem os materiais da Revista, que eram muito ofensivos, se dedicaram a matar pessoas e até a disparar contra um policial que estava ferido no chão. Sem terem completado o objetivo e sem mostrar interesse em se tornar mártires, os terroristas fugiram rapidamente da polícia. Esses “militantes” demonstraram conhecimento militar e não estavam vestidos como jihadistas, mas como comandos militares.

CONSEQUÊNCIA 1: FORTALECIMENTO DA EXTREMA DIREITA

A Frente Nacional continua se fortalecendo eleitoralmente, com a possibilidade de ganhar num distrito e ainda de passar ao segundo turno nas próximas eleições que acontecerão em 2016.

A crise do regime político aumenta na França, na Europa e em escala mundial conforme a crise capitalista avança. Na Alemanha, o grupo nazista reciclado AfD tem capitalizado a crise do governo de Grande Coalisão de Angela Merkel sobre a questão dos refugiados.

O Partido Socialista Francês se encontra em franca crise e sobre a pressão dos monopólios que, perante a queda dos lucros, exigem a adoção de medidas mais duras tanto em relação à política doméstica como em relação à política exterior.

Os atentados contra a Revista Charlie Hebdo foram usados pela Frente Nacional para impulsionar uma campanha contra os imigrantes, principalmente, contra os que têm como origem as ex colônias francesas do norte da África e os do Oriente Médio. A nova extrema direita europeia tenta se distanciar do fascismo “clássico”, mas basta trocar imigrante islâmico para judeu que as diferenças ficam muito pequenas.

O ex presidente francês, Nicolas Sarkozy, tenta impulsionar a reciclagem do direitista UMP (União por um Movimento Popular), que foi rebatizado como “Os Republicanos”. Sarkozy derrotou a ala de extrema direita que atuava dentro da UMP, liderada por Jean-François Copé. Mas, da mesma maneira que tentou fazer em 2012, quando foi derrotado por François Hollande do PSF, agora ele mesmo tenta se apoderar de algumas das bandeiras da extrema direita.

Em 2012, a burguesia imperialista apostou na saída socialdemocrata. Após Hollande ter vencido as eleições presidenciais, o PSF ganhou a maioria no Parlamento. Hollande tentou colocar em prática uma política de “crescimento”, mas acabou desistindo rapidamente, devido ao grau da crise, e ele mesmo se tornou um dos líderes da chamada “austeridade”. Perante a pressão dos monopólios, no mês de abril do ano passado, Hollande empossou o elemento da ala direita do PSF e então ministro do Interior, Manuel Valls, como primeiro ministro. Desde lá, os ataques contra os trabalhadores têm escalado, embora que ainda não na medida que a burguesia gostaria.

CONSEQUÊNCIA 2: MAIS REPRESSÃO INTERNA

No mês de agosto de 2015, o Parlamento francês aprovou uma lei antiterrorista que permite ao governo investigar os cidadãos franceses da mesma maneira que o faz a NSA (Agência Nacional de Segurança) norte-americana. A resistência contra a aplicação da Lei tem sido muito grande, da mesma maneira que o tem sido contra os ataques que tentam liquidar com o chamado “estado de bem-estar social”. É evidente que esses ataques terroristas servem para criar o clima favorável para aplicar essa Lei, exatamente que foi feito durante a Administração de George Bush Jr. em 2001, com o chamado Ato Patriótico, a partir do qual o imperialismo norte-americano passou a impor a aprovação de leis antiterroristas similares em escala mundial.

A democracia tem um caráter de classe e está a serviço da classe que está no poder. A democracia burguesa atual está a anos luz da democracia do século XIX. É uma democracia cada vez mais fascistoide, que ataca em cheio os direitos e liberdades mais elementares.
Na Europa, até os governos mais direitistas europeus são muito mais tolerantes em relação às liberdades democráticas que as caricaturas de democracia que temos na maioria dos países da América Latina, e nos demais países atrasados, a começar pelo Brasil. E o objetivo é justamente aumentar o aperto geral contra as massas.

O Conselho de Defesa, presidido por Hollande, rapidamente aprovou o reforço dos controles para conter a ação dos terroristas franceses que estão retornando do Oriente Médio. De um suposto total de 1.800, 300 já teriam retornado.

Por meio da criação de uma comoção social, o objetivo é provocar uma divisão sectária entre os muçulmanos franceses e não-muçulmanos. No caso do Charlie Hebdo, que tinha se tornado um especialista em provocações anti-muçulmanas, a manobra foi impor a condenação do ataque sem mais, pois isso levaria aos muçulmanos da França a ficarem a reboque da política xenofóbica (ódio aos estrangeiros) da Revista ou a e colocarem como cúmplices dos assassinos. Agora, o objetivo é facilitar a imposição da Lei Antiterrorista, os ataques contra o “estado de bem-estar social” e o aumento das ações militares do imperialismo francês no exterior.

Ações similares têm sido bastante comuns, além dos atentados contra as Torres Gêmeas de 2001. Essa política se acentuou na década de 1990 com a guerra imperialista contra a antiga Iugoslávia. Na própria França, os serviços de inteligência fizeram testes de certas drogas sobre a população civil e apoiaram a organização terrorista OAS para tentar assassinar o então presidente Charles de Gaulle.

Em 6 de Fevereiro de 2014, os ministros do Interior da Alemanha, dos Estados Unidos, da França, da Itália, da Polónia e do Reino Unido estabeleceram que o retorno dos “jihadistas” europeus era uma questão de segurança nacional.

A chamada “guerra ao terror” representa uma cobertura para favorecer os lucros da guerra do monopólios, a começar pelo chamado complexo industrial-militar, do qual participam, em alguma medida, todas as grandes empresas. A propaganda demagógica diz que o objetivo seria “libertar” a humanidade da ameaça do “terrorismo”.

No Brasil, que não vive numa ilha da fantasia, mas que se encontra num continente controlado a ferro e fogo pelo imperialismo norte-americano, acabou de ser aprovada uma lei-antiterrorista. E quem é o alvo? O praticamente inexistente terrorismo ou os movimentos sociais? Os terroristas ou os trabalhadores que deverão entrar em movimento no próximo período contra a crise capitalista?

CONSEQUÊNCIA 3: ORIENTE MÉDIO

Um dos componentes fundamentais dos atentados terroristas é favorecer uma ação mais ampla para “combater o terrorismo” na “fonte”, no Oriente Médio e no Sahel, a região localizada ao sul do Deserto do Saara.

O imperialismo busca atuar de maneira mais contundente no Oriente Médio devido à necessidade de controlar o petróleo e o gás, e evitar o avanço “exagerado” da Rússia, da China e do Irã. Também está em jogo a construção e operação de vários gasodutos que levam e levarão gás à Europa; o lucrativo negócio da venda de armas e equipamentos de segurança; o controle do tráfego de drogas, tanto na produção (Afeganistão) como no transporte a partir do Sudeste Asiático.

O chamado Novo Caminho da Seda Chinês deverá facilitar o comercio entre a China e a Europa por meio de rotas mais rápidas e diversas. Vários países da Ásia e do Oriente Médio, fornecedores de matérias primas, serão incluídos. O imperialismo francês, por médio de uma atuação mais forte na região poderá abocanhar uma fatia maior do bolo.

A aliança com a China e a China, alinhada com a política de Obama para o Oriente Médio, não implica na inexistência de contradições. Por causa do aprofundamento da crise capitalista mundial, as alianças têm se tornado cada vez mais fluídas, uma espécie de política de “salve-se quem puder” num ninho de cobras, um vale tudo para salvar os lucros dos monopólios. E vale lembrar que por trás do imperialismo francês se encontram os alemães, com quem atuam em estreita frente única desde o final da Segunda Guerra Mundial. Ambos enfrentam o acelerado aprofundamento da crise capitalista.

Até o momento, o acirramento das contradições têm acontecido entre as potências imperialistas e as potências regionais. Para o próximo período, está colocado o acirramento das contradições entre as potências imperialistas, principalmente, se a crise levar alas da extrema direita ao poder. O Oriente Médio é um dos palcos onde o imperialismo norte-americano alocou um imenso poderio militar, mas também onde as contradições sempre, na história, têm escalado.

O Estado Islâmico, e até a al-Qaeda, aparece como um grupo relativamente inofensivo comparado à ação das potências imperialistas e da reação do Oriente Médio, uma cobertura para as ações dessas potências na região.

Hoje, a chamada operação Chammal, da França no Oriente Médio, conta com 12 caçabombardeiros, baseados nos Emirados Árabes Unidos e na Jordânia. Há também uma fragata e mais de mil soldados e marinheiros. No início deste mês, Hollande ordenou a entrada em ação do porta-aviões Charles de Gaulle e de vários outros navios de guerra. Agora, como a maioria dos atacantes teriam sido guerrilheiros islâmicos na Síria, o governo francês deverá ampliar a atuação “preventiva” na Síria e no Iraque.

Os interesses do imperialismo francês não se restringem ao Oriente Médio. No chamado Sahel, as operações dos franceses tem como eixo o Mali, onde atuam com três mil soldados, 200 blindados, seis caçabombardeiros, dez aviões de transporte e três drônes. E se estende aos países vizinhos. A França depende dessas antigas colônias para o fornecimento de matérias primas vitais como urânio, em primeiro lugar, do qual depende a indústria nuclear francesa. O urânio existe fundamentalmente em Níger, um país vizinho do Mali e altamente desestabilizado pela crise no Mali.

Pelo interesses envolvidos e pela ação dos principais partidos ligados ao regime político francês é perceptível que os atentados tiveram por trás os interesses dos monopólios que buscam desesperadamente salvar os lucros da crise passando a conta para os próprios trabalhadores e para os povos oprimidos.

Paris atentados6 Paris atentados4 Paris atentados3 Paris atentados2 Paris atentados1