PREVISÕES PARA 2016 – Parte 11

O INEVITÁVEL APROFUNDAMENTO DA CRISE CAPITALISTA MUNDIAL

1

Em 2016, a crise capitalista mundial continuará, inevitavelmente, acelerando. Como componentes, continuará avançando a recessão industrial, o endividamento generalizado, o desemprego, a carestia da vida, as pressões inflacionárias, os obscenos repasses de recursos públicos para manter os lucros das grandes empresas.

A “locomotiva mundial”, a China, continuará enfrentando dificuldades para estabilizar a economia, mas, neste ano, conseguirá controlar as gigantescas bolhas geradas a partir dos mecanismos colocados em pé a partir de 2009. A instabilidade das bolsas continuará aparecendo na linha de frente da crise. Mas “o buraco fica mais em baixo”. O consumo de matérias primas continuará se reduzindo, impactando em cheio os países que dependem dessas exportações, dentre eles o Brasil.

As principais potências industriais, a Alemanha e o Japão, continuarão enfrentando a recessão do setor industrial e o crescente endividamento público e privado. A tentativa de aplicar políticas falidas, como o QE (quantitative easing), somente pode conduzir esses países a um novo colapso. Esse programa, que consiste na compra de títulos podres pelo valor de face, em cima de trilhões em recursos públicos, foi abandonado nos Estados Unidos por causa do enorme volume de títulos que têm entrado no mercado dos “high yields”, ou títulos lixo. A enorme queda da taxa de lucros, por causa da política de compras indiscriminadas por meio da Reserva Federal, aumentou as pressões para a redução dessas compras. Essa política conseguirá ser sustentada na Zona do Euro e no Japão neste ano, mas enfrentará sérias dificuldades a partir de 2017.

Nos Estados Unidos, a queda dos lucros dos monopólios se acentuará por causa da queda dos preços do petróleo e as dificuldades para manter a produção ultra depredadora de hidrocarbonetos a partir do xisto. Os bancos enfrentarão dificuldades enormes para manterem os lucros. A especulação financeira continuará absorvendo o grosso dos recursos públicos que, em grande medida, serão gerados a partir da a venda de títulos do Tesouro que continuarão sendo comprados pelos grandes exportadores de mercadorias aos Estados Unidos.

O enfraquecimento dos “petrodólares” continuará em 2016, com a abertura do índice russo de petróleo em São Petersburgo e do índice chinês em Xangai, concorrentes com o WTI, que é controlado pelos grandes bancos norte-americanos. Desta maneira, um dos principais mecanismos da ditadura do dólar em escala mundial se enfraquecerá e as chamadas “reservas soberanas” tenderão, nos próximos anos, a tornar-se pó.

 

A ESPECULAÇÃO FINANCEIRA EM XEQUE

 

A “bolha mãe” continuará crescendo de maneira vertiginosa. Esse termo foi acunhado por Nouriel Roubini, o economista que, em 2006, previu o colapso capitalista de 2008 em detalhes e que agora prevê um novo colapso para o próximo período ainda mais desastroso que o de 2008. O termo qualifica a emissão de dinheiro podre, sem lastro produtivo, com o objetivo de repassa-lo aos grandes bancos. O endividamento público tende a aumentar, de maneira obscena, enquanto a economia real continuará se contraindo.

A obtenção de lucros a partir do “banco imobiliário” em que foi convertido o mundo ainda terá fôlego neste ano. Mas os lucros continuarão em queda, o que se refletirá na continuidade da perda do valor acionário de todos os grandes bancos, na falha nos testes de estresse e nos crescentes déficits para cobrirem as fianças nas operações de apostas e contra apostas relacionadas com a especulação financeira.

Em 2008, bastou a quebra da maior seguradora do mundo, a norte-americana AIG, para que o sistema financeiro mundial desabasse. Mesmo com os lucros em queda, provavelmente, a economia capitalista ainda manterá um certo fôlego em 2016. Mas, entre 2017 e 2018, deverá acontecer um novo colapso capitalista de gigantescas proporções, muito pior que o de 2008. O fator detonador poderá vir da impossibilidade dos bancos centrais controlarem a queda em bolsas de valores mais importantes, como a de Xangai, a de Singapura, a de Londres os as bolsas norte-americanas. Mas a implosão também poderá ser produzida pela bancarrota de bancos de grande porte que deixem para trás uma dívida tão grande que, mesmo se tratando de uma empresa TBTF (Muito Grande Para Falir, na sigla em inglês), coloque uma pressão tão grande na sociedade e no mundo capitalista que o estado burguês não consiga salva-la. Todos os grandes bancos e os monopólios se encontram nesta situação, que deverá se acentuar ainda mais em 2016.

Todos os títulos financeiros, contemplando todos os chamados “instrumentos financeiros” tendem a transformar-se em apenas o que realmente são, papeis podres, fruto do capital fictício que domina o sistema capitalista por causa das crescentes dificuldades para encontrar um lugar ao sol na economia produtiva.

 

A CRISE DO DÓLAR

 

O dólar foi imposto como moeda mundial, como lastro das demais moedas, em 1944, a partir dos Acordos de Bretton Woods. A pressão da Guerra do Vietnam, levou ao calote de 1971, por meio do qual a Administração Richard Nixon passou a impedir a troca de dólares por ouro físico.

Com a colapso capitalista de 2008, as tendências centrípetas, contrárias ao controle do imperialismo, dispararam.

Para este ano, está colocado o fortalecimento dos órgãos que não são controlados diretamente pelas potências imperialistas, como o BIA (Banco de Infraestrutura Asiático), o Banco do Mercosul, a OCX (Organização de Cooperação de Xangai) e outros. A Rússia e a China anunciaram a criação de mecanismos de cotização do petróleo próprios, por fora dos mecanismos do WTI, que são controlados diretamente pelos grandes bancos.

O comercio em moedas locais deverá continuar crescendo. Na Ásia, os acordos comerciais entre a China, o Japão e a Coreia do Sul deverão promover os intercâmbios comerciais nas moedas locais. Da mesma maneira, deverá acontecer nas trocas entre a Índia e a China, entre a Rússia e a China, entre a Rússia e a Índia, e entre a Rússia e o Japão. A própria Arábia Saudita, que é o pilar principal dos petrodólares, será obrigada a diversificar os mercados para enfrentar o crescente, e gigantesco, déficit público, o que implicará na ampliação do comercio em moedas locais.

O estoque de dólares podres, sem lastro produtivo alcançou dimensões apocalíticas. O endividamento público norte-americano deverá superar os US$ 20 trilhões. Considerando os demais componentes do endividamento, a dívida total geral dos Estados Unidos ficará próxima aos US$ 100 trilhões. O dólar continuará perdendo o valor, o que se acentuará com o aumento das taxas de juros. As reservas soberanas em dólares continuarão perdendo o valor. Este será só o prelúdio da hiper inflação, em direção à qual caminha o sistema capitalista mundial.

 

VEJA TAMBÉM:
PARTE 1 – 2015: O ANO DA ACELERAÇÃO DA CRISE CAPITALISTA MUNDIAL
http://alejandroacosta.net/2015/12/31/previsoes-para-2016-parte-1/
PARTE 2 – O ORIENTE MÉDIO
http://alejandroacosta.net/2015/12/31/previsoes-para-2016-parte-2/
PARTE 3 – A EUROPA
http://alejandroacosta.net/2016/01/01/previsoes-para-2016-parte-3/
PARTE 4 – A PERIFERIA DA RÚSSIA
http://alejandroacosta.net/2016/01/01/previsoes-para-2016-parte-4/
PARTE 5 – A RÚSSIA
http://alejandroacosta.net/2016/01/02/previsoes-para-2016-parte-5/
PARTE 6 – A CHINA
http://alejandroacosta.net/2016/01/04/previsoes-para-2016-parte-6/
PARTE 7 – A CHINA E A REGIÃO PACÍFICO DA ÁSIA
http://alejandroacosta.net/2016/01/04/previsoes-para-2016-parte-7/
PARTE 8 – O JAPÃO
http://alejandroacosta.net/2016/01/11/previsoes-para-2016-parte-8/
PARTE 9 – OS ESTADOS UNIDOS
http://alejandroacosta.net/2016/01/13/previsoes-para-2016-parte-9/
PREVISÕES PARA 2016 – Parte 10 – A AMÉRICA LATINA (1)
http://alejandroacosta.net/2016/01/18/previsoes-para-2016-parte-10-a-america-latina-1/
PREVISÕES PARA 2016 – Parte 10 – A AMÉRICA LATINA (2)
http://alejandroacosta.net/2016/01/18/previsoes-para-2016-parte-10-a-america-latina-2/
PREVISÕES PARA 2016 – Parte 10 – A AMÉRICA LATINA (3)
http://alejandroacosta.net/2016/01/18/previsoes-para-2016-parte-10-a-america-latina-3/
PREVISÕES PARA 2016 – Parte 10 – A AMÉRICA LATINA (4)
http://alejandroacosta.net/2016/01/18/previsoes-para-2016-parte-10-a-america-latina-4/
PREVISÕES PARA 2016 – Parte 10 – A AMÉRICA LATINA (5)
http://alejandroacosta.net/2016/01/18/previsoes-para-2016-parte-10-a-america-latina-5/
PREVISÕES PARA 2016 – Parte 10 – A AMÉRICA LATINA (6)
http://alejandroacosta.net/2016/01/18/previsoes-para-2016-parte-10-a-america-latina-6/

Anúncios

Trackbacks

  1. […] VEJA TAMBÉM: PARTE 1 – 2015: O ANO DA ACELERAÇÃO DA CRISE CAPITALISTA MUNDIAL PREVISÕES PARA 2016 – Parte 1 PARTE 2 – O ORIENTE MÉDIO PREVISÕES PARA 2016 – Parte 2 PARTE 3 – A EUROPA PREVISÕES PARA 2016 – Parte 3 PARTE 4 – A PERIFERIA DA RÚSSIA PREVISÕES PARA 2016 – Parte 4 PARTE 5 – A RÚSSIA PREVISÕES PARA 2016 – Parte 5 PARTE 6 – A CHINA PREVISÕES PARA 2016 – Parte 6 PARTE 7 – A CHINA E A REGIÃO PACÍFICO DA ÁSIA PREVISÕES PARA 2016 – Parte 7 PARTE 8 – O JAPÃO PREVISÕES PARA 2016 – Parte 8 PARTE 9 – OS ESTADOS UNIDOS PREVISÕES PARA 2016 – Parte 9 PREVISÕES PARA 2016 – Parte 10 – A AMÉRICA LATINA (1) PREVISÕES PARA 2016 – Parte 10 – A AMÉRICA LATINA (1) PREVISÕES PARA 2016 – Parte 10 – A AMÉRICA LATINA (2) PREVISÕES PARA 2016 – Parte 10 – A AMÉRICA LATINA (2) PREVISÕES PARA 2016 – Parte 10 – A AMÉRICA LATINA (3) PREVISÕES PARA 2016 – Parte 10 – A AMÉRICA LATINA (3) PREVISÕES PARA 2016 – Parte 10 – A AMÉRICA LATINA (4) PREVISÕES PARA 2016 – Parte 10 – A AMÉRICA LATINA (4) PREVISÕES PARA 2016 – Parte 10 – A AMÉRICA LATINA (5) PREVISÕES PARA 2016 – Parte 10 – A AMÉRICA LATINA (5) PREVISÕES PARA 2016 – Parte 10 – A AMÉRICA LATINA (6) PREVISÕES PARA 2016 – Parte 10 – A AMÉRICA LATINA (6) PREVISÕES PARA 2016 – Parte 11 – O INEVITÁVEL APROFUNDAMENTO DA CRISE CAPITALISTA MUNDIAL PREVISÕES PARA 2016 – Parte 11 […]

    Curtir

  2. […] PARA 2016 – Parte 11 – O INEVITÁVEL APROFUNDAMENTO DA CRISE CAPITALISTA MUNDIAL PREVISÕES PARA 2016 – Parte 11 PREVISÕES PARA 2016 – Parte 12 – O INEVITÁVEL APROFUNDAMENTO DA CRISE CAPITALISTA NO […]

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: