França – O GRANDE PERDEDOR FOI O REGIME POLÍTICO

ELEIÇÕES REGIONAIS NA FRANÇA

 

00

 

No domingo 13 de dezembro, aconteceu o Segundo turno das eleições regionais na França.

A Frente Nacional, que tinha chegado à frente em seis das 13 regiões em disputa, acabou derrotada nas 13 regiões. Em princípio, essas derrotas poderiam ser interpretadas como um recuo da extrema direita. Mas está longe de ter sido isso. O número de votos obtido pela Frente Nacional passou de seis milhões, no primeiro turno, para 6,6 milhões no segundo turno, um aumento de seiscentos mil votos.

O bipartidarismo está com os dias contados, o que reflete o enfraquecimento do regime político e o aumento das dificuldades da burguesia para controlar o estado.

O grande vencedor foi o Partido Republicano, liderado pelo ex presidente Nicolás Sarkozy, com a vitória em sete regiões, inclusive nas duas onde tinham triunfado por longa distância, no primeiro turno, Marine Le Penn, a líder da Frente Nacional, e a sobrinha de Marine. Mas ao mesmo tempo, o Partido Republicano foi o grande derrotado, pois preciso da ajuda direta do PSF (Partido Socialista Francês). A política impulsionada por Sarkozy tinha como objetivo acelerar a adoção de políticas mais direitistas com o objetivo de crescer eleitoralmente às custas da Frente Nacional. Desta maneira, o triunfo de Sarkozy foi uma espécie de vitória de Pirro.

O Partido Socialista Francês venceu em cinco das regiões, o que representou uma grande queda em relação às 12 regiões que governava no período anterior. Em Córsega, a esquerda foi derrotada por um partido regional separatista.

As próximas eleições que acontecerão na França serão as eleições presidenciais, no ano próximo. A Frente Nacional tende a continuar concentrando a extrema direita por meio de políticas abertamente fascistoide e com o crescente apoio financeiro dos monopólios. A fortalecimento da extrema direita representa a política desesperada da burguesia imperialista por causa do acelerado aprofundamento da crise capitalista.

O movimento operário francês ainda não acordou do longo sono neoliberal. Mas as tradições de luta são de longa data e as organizações da classe operária são poderosas e de caráter nacional.

A esquerda francesa, assim como acontece com a esquerda mundial, ou bem se encontra integrada ao regime burguês ou está desligada do movimento de massas e envolvida em enorme confusão. As massas trabalhadoras deverão entrar em movimento no próximo período impulsionadas pela crise capitalista. Na Europa, a crise avança a passos largos sobre o coração do capitalismo europeu, a Alemanha, que também conta com uma classe operária poderosíssima. Esta será a base para o surgimento de uma nova esquerda revolucionária na Europa e no mundo.

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: